Demografia | OCDE: O Sistema de Pensões português precisa preparar-se para um rápido envelhecimento populacional

Demografia | OCDE: O Sistema de Pensões português precisa preparar-se para um rápido envelhecimento populacional

Pub

 

 

 

Portugal precisa de reformar o seu sistema de pensões para enfrentar os desafios de uma força de trabalho em rápida contração e altos níveis de desigualdade de velhice, refere um novo relatório da OCDE.

 

 

A OCDE reviu os sistemas de pensões em Portugal e considera que o rápido envelhecimento da população do país, resultado da baixa fertilidade e do aumento da expectativa de vida, está a pressionar as finanças das pensões. A população total do país começou recentemente a diminuir e prevê-se que caia abaixo dos 9 milhões em 2050, de um pico de 10,7 milhões em 2009, devido a uma diminuição acentuada do número de jovens e adultos em idade ativa.

Quebra demográfica acentuada

O declínio populacional em idade ativa estará entre os mais íngremes de todos os países da OCDE, estimando-se que o número de pessoas com idades compreendidas entre 20 e 64 anos será apenas de 30% até 2050. Calcula-se por isso que haverá 7 pessoas com mais de 65 anos por cada 10 em idade ativa em 2050, contra pouco mais de 1 em 3 nos nossos dias e 1 em 5 em 1975. Este facto poderá ter um impacto significativo no mercado de trabalho, crescimento económico e finanças das pensões, de acordo com o relatório produzido pela instituição.

Reformas efetuadas no Sistema de Pensões 

“Portugal reformulou profundamente o seu sistema de pensões nas últimas décadas e tornou-o financeiramente mais sustentável”, afirmou Stefano Scarpetta, Diretor de Emprego, Trabalho e Assuntos Sociais da OCDE, na apresentação do relatório, em Lisboa, com o Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social de Portugal, José António Vieira da Silva. “Agora, o foco deve ser o fortalecimento dos incentivos e da capacidade das pessoas idosas de ficar mais tempo no mercado de trabalho, simplificar o sistema de previdência e aposentação dos idosos e melhorar a sua estrutura para melhor lidar com vidas mais longas”.

Alterações relevantes na atribuição de pensões recentes em Portugal incluíram o alinhamento da idade de reforma entre mulheres e homens, o relacionamento entre a idade de aposentação e a expectativa de vida, o aumento do período de descontos para calcular o salário de referência, e a integração gradual do regime dos funcionários públicos com o regime geral. No entanto, considera a OCDE, o atual sistema previdenciário ainda pode ser melhorado.

Risco elevado de pobreza na velhice

A desigualdade de rendimentos entre os idosos é elevada em Portugal, embora as provisões da rede de segurança reduzam o risco de pobreza na velhice, apesar de tudo abaixo da média da OCDE. No entanto, o acesso a estas disposições nem sempre é simples. A complexidade administrativa gera custos e contribui para longos períodos de espera e algumas pessoas podem ser desencorajadas a solicitar benefícios de que poderiam ou teriam direito a usufruir. Em simultâneo, considera a OCDE que os benefícios não contributivos devem ser simplificados para evitar a multiplicação de instrumentos com objetivos semelhantes. Em particular, considera a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico que a pensão social de velhice, o Complemento Extraordinário de Solidariedade (CES) e o Complemento Solidário para Idosos (CSI) devem ser fundidos, enquanto os testes do CSI para a renda das crianças devem ser removidos.

Sustentabilidade e carreiras contributivas

A atual relação entre a idade legal de aposentação e as mudanças na expectativa de vida é necessária para garantir a sustentabilidade financeira dos sistemas previdenciários. Esse vínculo deve ser estendido até a idade mínima de aposentação antecipada. Além disso, devem ser encorajadas enquanto vidas laborais e carreiras contributivas mais longas. O fator de sustentabilidade, que foi reformado em 2014, só gera uma penalidade muito grande em caso de aposentação antecipada. Embora sejam necessárias sanções financeiras adequadas para a aposentação antecipada, o fator de sustentabilidade deve ser usado para ajustar os benefícios de pensão em todos os níveis como um instrumento definitivo para garantir a sustentabilidade financeira.

A OCDE considera ainda que incentivos para contribuir para planos de reforma voluntários também devem ser melhorados, bem como planos ocupacionais promovidos para aumentar o nível de rendimentos. A regulamentação dos fundos de pensão deve também ser aprimorada.

 

Imagem: Johan Cupido

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983404

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Política, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.