Bloco | Famalicão debateu os Direitos dos Cuidadores Informais

Bloco | Famalicão debateu os Direitos dos Cuidadores Informais

Pub

 

 

 

O Bloco de Esquerda realizou na passada sexta-feira, 15, uma sessão para debater “Que direitos para os cuidadores informais?“, no auditório do Museu Bernardino Machado, em Vila Nova de Famalicão, com José Soeiro, deputado do partido na Assembleia da República, e Ana Rute Marcelino, candidata do Bloco ao Parlamento Europeu.

 

 

O objetivo da sessão era “prestar contas sobre o trabalho desenvolvido” e “ouvir as pessoas, para compreender melhor os problemas que os cuidadores enfrentam diariamente”, refere Ana Rute Marcelino. A candidata ao Parlamento Europeu realça que “temos de falar de pessoas, não de números” e afirma que “o estado social é partilhar os problemas com a sociedade”. “O futuro tem de ser coletivo”, acrescenta.

José Soeiro esclareceu que a questão foi suscitada por uma petição de cuidadores e enalteceu o empenho da eurodeputada Marisa Matias no apoio a esta causa. O deputado, que foi relator do grupo de trabalho criado na Assembleia da República, criticou o Governo por “tentar bloquear a divulgação da parte propositiva do relatório”.

O dirigente bloquista refere que 80% dos cuidados são informais e que, em Portugal, há 800 mil cuidadores e cuidadoras. Soeiro justifica a urgência deste debate por ser “um trabalho socialmente invisível, não remunerado e sem reconhecimento, estando associado o maior risco de pobreza”.

“O Projeto de Lei do Bloco de Esquerda pretende aumentar dos cuidados formais, conciliar os direitos dos cuidadores com as necessidades de quem é cuidado e aprovar o Estatuto de Cuidador/a Informal, que articule alterações à legislação laboral, contabilização do tempo para efeitos de carreira contributiva, alargamento dos apoios sociais em montante e beneficiários, e o apoio aos cuidadores, como formação e direito ao descanso”, concluiu.

 

Pub

Categorias: Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.