António Fernandes

Duplicidades | Entre o racional e o irracional, os muros da irresponsabilidade

Duplicidades | Entre o racional e o irracional, os muros da irresponsabilidade

 

 

 

O muro “da vergonha” – muro da irresponsabilidade política e social doentia de uma corrente da opinião política conservadora mais retrógrada de que há memória nos últimos tempos no panorama político internacional -, a erguer na fronteira com o México, não foi avante; o México tem um novo Presidente; o Brasil também; falta desferir o golpe letal, já em andamento na Venezuela e, na sua fase embrionária, na Nicarágua…

A teoria da conspiração ganha assim contorno perigoso quando constata que um País a desfalecer de fome tem todos os seus recursos económicos, de reservas em ouro inclusive, prisioneiros de uma conspiração articulada com projeção planetária cujos contornos e tentáculos começam a ser, agora, conhecidos. Os recursos naturais e outros de garantia da moeda em circulação sobre pressão de um embargo internacional que visa claramente derrubar um poder para o substituir por outro poder sem olhar a meios para atingir os fins. Sendo que nos meios que usa está a vida das pessoas e a sua estabilidade social. Em paz e harmonia.

A Venezuela deve ser submetida a eleições livres como qualquer outro País onde os indícios de irregularidades processuais tenham sido por demais evidentes como tem acontecido em alguns Países em que a metodologia usada com acesso aos novos recursos tecnológicos tem suscitado dúvidas sobre a sua veracidade.

Assim sendo, Nicolás Maduro terá, dizem, viciado o ato. Simplesmente, outros houve que também, se presume, o fizeram, e ninguém vê a comunidade internacional, minada por políticos de conduta suspeita, a tomar posição sobre aqueles que indevidamente usurpam o poder nos quatro cantos do mundo.

As sociedades atravessam atualmente uma deriva perigosa em que o poder político e outros poderes menores que lhe dão estrutura e consistência se encontram prisioneiro de interesses não confessos, mas que se movimentam à vista de todos. Despudoradamente. Sem escrúpulos.

O futuro está por isso condicionado a fatores externos ao seu normal desenvolvimento.

O Parlamento Europeu, onde o grupo político PPE (centro-direita) detém a maioria dos eleitos, votou o reconhecimento de um autoproclamado Presidente Interino, feito numa praça em ambiente de manifestação contra o recém-eleito Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em que Juan Gaidó, Presidente da Assembleia Nacional se, como é referido, autoproclamou, Presidente interino do Estado da Venezuela.

É caso para pensar que, se a moda pega, a Democracia corre o risco de subversão unilateral ao aceitar a sublevação como forma de imposição política reconhecida.

No entanto, em Espanha, não há muitos meses, aconteceu uma situação de declaração de independência de uma das suas Regiões, a Catalunha, sem que o mesmo Parlamento Europeu se tenha pronunciado: Declaração de Independência anunciada por Carles Puigdemont presidente da Generalidade da Catalunha.

Estamos assim, perante uma situação de duplicidade de critério que levanta dúvidas fundadas sobre os interesses envolvidos e sobre o controlo político e económico de um Continente, a América, onde os Estados Unidos não abdicam da hegemonia continental e, intercontinental, de domínio económico e financeiro que sentem estar a perder.

A correlação de forças internacional está:

  • em crise profunda de valores;
  • sem rumo definido;
  • sobre uma linha demasiado ténue entre o racional e o irracional;

 

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983404

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Crónica

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.