Resíduos | Campanha da AMI de recolha de radiografias decorre entre 25 de janeiro e 17 de fevereiro

Resíduos | Campanha da AMI de recolha de radiografias decorre entre 25 de janeiro e 17 de fevereiro

Pub

 

 

 

Teve início a 25 de janeiro mais uma edição da Campanha de Reciclagem de Radiografias da Assistência Médica Internacional (AMI), que se prolonga até 17 de fevereiro. Se possui radiografias em casa radiografias sem utilidade surgiu agora novamente a possibilidade de se desfazer delas ajudando quer o ambiente quer a associação sem fins lucrativas que está sempre pronta a ajudar nas mais diversas respostas que tem vindo a implementar.

 

 

Desde 1996 que a AMI promove anualmente esta campanha, tendo como objetivo a recolha de radiografias com mais de cinco anos ou sem valor de diagnóstico. Deste projeto resultaram, até à data, 1607 toneladas de radiografias recicladas.

Do processo de reciclagem deste resíduo obtém-se prata, que é vendida no mercado de metais preciosos. A reciclagem das radiografias permite evitar a sua deposição em aterro, minimizando assim a contaminação do ambiente, reduzindo a sua extração na natureza e as nefastas consequências que este processo tantas vezes tem quer pela destruição de áreas naturais quer pela exploração das populações locais, muitas vezes em países em desenvolvimento.

Por outro lado, a prata resultante da sua reciclagem tornou-se uma fonte de receitas muito importante para o trabalho social da AMI em Portugal, através dos seus 15 equipamentos e respostas sociais espalhadas de norte a sul do país e ilhas.

A Reciclagem de Radiografias da AMI foi o primeiro projeto em Portugal a aplicar o conceito de recolha de resíduos para angariação de fundos, tendo sido lançado pela AMI em 1996 e replicado desde então, quer pela AMI, quer por muitas outras instituições, sendo uma importante fonte de financiamento para muitas delas.

Pela introdução do conceito em Portugal e pela ampla replicação que dele fez, a AMI é hoje uma referência no setor dos resíduos em Portugal e foi premiada com o Prémio Valorsul de Boas Práticas Ambientais, o Prémio Cidadania das Empresas e das Organizações e o Green Project Awards.

A recolha de radiografias faz-se anualmente nas farmácias, hospitais, centros de saúde e clínicas. As radiografias com mais de 5 anos ou sem valor de diagnóstico são então separadas dos relatórios clínicos, cuja informação confidencial é destruída pela AMI, sendo depois encaminhadas para parceiros recicladores. A AMI é licenciada pelo Ministério do Ambiente para a gestão destes resíduos.

Desde o início deste projeto, em 1996, recolheram-se mais de 1.600 toneladas de radiografias.

A AMI é uma Organização Não Governamental (ONG) portuguesa, privada, independente, apolítica e sem fins lucrativos que tem como objetivos lutar contra a pobreza, a exclusão social, o subdesenvolvimento, a fome e as sequelas da guerra, em qualquer parte do Mundo.

 

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é generalista, independente, plural e gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede. Só um jornalismo forte pode garantir qualidade no serviço oferecido aos leitores.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu contributo, ainda que simbólico, sob a forma de donativo.

MB Way: 919983484

Multibanco ou netbanking:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Agenda, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.