Braga

Eixo Atlântico | Ricardo Rio: Cultura é pilar de afirmação de Braga e da Euro-região

Eixo Atlântico | Ricardo Rio: Cultura é pilar de afirmação de Braga e da Euro-região

Pub

 

 

 

Ricardo Rio defende que a Cultura “será um dos grandes pilares de afirmação da cidade de Braga e da Euro-região, traduzindo-se num fator de qualificação da população e de competitividade económica”. Durante a cerimónia de passagem de testemunho da Capital da Cultura do Eixo Atlântico – título que Braga irá ostentar em 2020, sucedendo a Santa Maria da Feira -, o autarca bracarense explicou que o próximo ano servirá como ‘balão de ensaio’ para a candidatura a Capital Europeia da Cultura em 2027. A passagem de testemunho da bandeira de Capital da Cultura do Eixo Atlântico decorreu no Salão Nobre dos Paços de Concelho de Santa Maria da Feira e contou com a presença do secretário-geral do Eixo Atlântico, Xoán Vásquez Mao, e dos vereadores da cultura de ambos os municípios.

 

 

“Queremos que essa candidatura seja euro-regional, onde todo o Eixo Atlântico se reveja e que seja capaz de agregar todas as cidades e os seus agentes culturais”, adiantou Ricardo Rio, o presidente da Câmara Municipal de Braga, garantindo que com o título de Capital da Cultura do Eixo Atlântico, Braga “vai continuar a afirmar-se como um território de Cultura e de desenvolvimento, onde o património se conjuga com a inovação criando dinâmicas para potenciar a expressão artística dos seus cidadãos”.

Na sessão que decorreu esta sexta-feira, 11 de Janeiro, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, ao receber das mãos de Emídio Sousa a responsabilidade de continuar a desenvolver este trabalho cultural inter-regional, Ricardo Rio explicou que Braga está “fortemente empenhada” para assumir este projeto cultural do Eixo Atlântico, salientando que a Cultura “é uma peça fundamental do desenvolvimento dos territórios e o motor do progresso de cada uma das cidades que compõem esta associação transfronteiriça”.

Desde 2014 que a autarquia bracarense tem procurado participar ativamente em todas as dimensões de intervenção do Eixo Atlântico. Nesse sentido Ricardo Rio lembrou que, ainda este ano, Braga será a sede dos Jogos do Eixo Atlântico, irá acolher a Expo Cidades, além dos vários contributos no domínio da agenda urbana, da valorização do ambiente ou da criação de oportunidades para os jovens. “Em vários contextos Braga tem dito presente e continuará a fazê-lo porque o Eixo Atlântico é uma realidade territorial com a qual nos identificamos e que se assume como um dos motores do desenvolvimento dos dois países e de qualificação dos nossos cidadãos”, referiu o autarca bracarense.

Na presença de Emídio Sousa, presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Ricardo Rio enalteceu o trabalho desenvolvido por esta autarquia ao longo do ano transato que se traduziu “num bom exemplo de como se deve trabalhar um projecto desta natureza, ao envolverem os agentes locais para corporizarem uma programação de grande qualidade, que teve o condão de mobilizar e projectar a cidade além-fronteiras” e, durante o qual, Santa Maria da Feira acolheu a organização da V Capital da Cultura do Eixo Atlântico, dinamizando um programa de atividades que expressou o entrecruzamento e a convergência entre a Arte, a Cultura e o Conhecimento.

Também Lídia Dias, vereadora da Cultura do Município de Braga, referiu que este título é “um importante passo” para a cidade e uma oportunidade para o futuro. “Queremos que a Capital da Cultura do Eixo Atlântico seja um momento de afirmação da nossa identidade, que contribua para aumentar a dinâmica e o envolvimento da comunidade e dos seus agentes culturais”, sustentou.

A responsável explicou que a programação será apresentada em Junho mas já foi possível levantar um pouco do véu. Certo está o regresso do jazz a Braga, numa das iniciativas propostas, além de um evento centrado exclusivamente na arte urbana, que tem como pretensão levar a cultura às periferias. Entre as propostas previstas está também o programa “Braga no Eixo”, que tem como objectivo levar os projectos culturais bracarenses em itinerância pelos 42 municípios que integram a associação transfronteiriça.

Braga pretende também criar um legado permanente desta “capitalidade” através da criação de um Jardim devotado ao Eixo Atlântico, além de uma galeria onde estarão expostas todas as obras premiadas das sucessivas edições da Bienal de Pintura do Eixo Atlântico.

Além de Santa Maria da Feira, também Vila Nova de Gaia em 2009, Viana do Castelo em 2011, Ourense em 2014 e Matosinhos e Vila Real em 2016 acolheram a Capital da Cultura do Eixo Atlântico.

 

Fontes: Município de Braga e Santa Maria da Feira

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983404

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

 

Pub

Categorias: Cultura, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.