António Fernandes

2019 | Não há de ser nada!

2019 | Não há de ser nada!

Pub

 

 

 

O mundo está em mudança como vem sendo hábito desde sempre.

Por isso, não se percebe muito bem os motivos da preocupação política e social perante uma condição que tem sido permanente e que, não fora essa constante mudança, não teria a Humanidade chegado ao corrente estádio de desenvolvimento da sua organização e das suas condições de vida em resultado do conhecimento  construído, um, e desbravado, outro.

Há condições geoestratégicas que se alteraram profundamente, nomeadamente no Continente Europeu. Alterações essas que influenciaram e continuam a influenciar, direta e indiretamente, o rumo político de outros Estados, na Europa e no Mundo, como se tem verificado.

A Europa de hoje, no seu espaço geopolítico designado por U. E., é o único espaço geográfico organizado com condições políticas, sociais e tecnológicas que lhe permitem uma  total autonomia e, por essa via, total independência politica e económica em todas as suas vertentes e domínios.

A sua dependência de terceiros em setores como:

– a energia, mão de obra qualificada e não qualificada, matérias-primas;

– derivados e compostos nos setores agroalimentar, aquacultura, fármacos e outros;

já há muito foi ultrapassada.

Simplesmente, os valores sociais pelos quais a Europa se tem pautado desde meados do século passado tem sobreposto o interesse social coletivo ao interesse individual de grandes grupos económicos e financeiros, ultrapassando interesse nacional de governação economicista e, por isso, o equilíbrio da correlação de forças internacional se tem mantido num quadro que excede já o quadro do possível, mas que ainda está muito longe do desejável onde cada Ser Humano usufrua dos Direitos, Liberdades e Garantias insertos na Carta Internacional dos Direitos Humanos.

Mesmo com o Trump; o Putin; o Maduro; e muitos outros políticos irresponsáveis que se extremam, na equação internacional, a que agora se junta o Bolsonaro, no Brasil, mais a entrada da extrema-direita numa das  regiões da nossa vizinha Espanha, mais concretamente na Andaluzia, há cada vez mais motivos para que a Europa se reja por princípios de solidariedade interna, como o tem feito ao longo das ultimas década para se autorregular, e olhar para os outros Continentes e respetivos Estados de uma forma diferente das outras grandes potências internacionais, mais concretamente, os Estados Unidos da América e a Rússia que se têm vindo a digladiar entre si e com ameaças a Estados  terceiros tanto na componente comercial como em outras vertentes com ênfase para a sua componente militar.

Tenho para mim que os cidadãos Europeus sabem que a Globalização inverteu o pressuposto do conceito que passou de consequência a condição:

– Consequência porque surgiu da necessidade da condição Humana.

– Condição porque passou a ser a principal garantia de suporte da vida: Humana e ambiental.

Assim sendo, há a retirar da História Universal, uma conclusão laminar:

– feita de avanços e recuos, a História, tem nos seus avanços, uma conquista irreversível: o conhecimento.

Por isso, o ano de dois mil e dezanove é mais um ano nesta epopeia a caminho do futuro que se quer:

– livre;

– com sonhos;

– justo;

– solidário.

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983404

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

 

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.