Guimarães

Agricultura | IBR de Guimarães entrega primeiros terrenos do Banco de Terras a Marta Carvalho e Miguel Figueiredo

Agricultura | IBR de Guimarães entrega primeiros terrenos do Banco de Terras a Marta Carvalho e Miguel Figueiredo

 

 

Foram efetuadas, esta sexta-feira, 14 de dezembro, as primeiras atribuições de terrenos inscritos no Banco de Terras de Guimarães a dois empreendedores vimaranenses. Marta Carvalho vai promover a produção de cogumelos em modo biológico e Miguel Figueiredo pretende desenvolver um projeto de Quinta Pedagógica, no âmbito da Incubadora de Base Rural, projeto que se encontra a ser desenvolvido pelo Município de Guimarães.

 

 

São as primeiras duas de entre outras explorações agrócolas a ser implementadas no Concelho de Guimarães através da concessão de parcelas de terreno inscritas no Banco de Terras de Guimarães no âmbito da Incubadora de Base Rural, Marta Carvalho vai promover a produção de cogumelos em modo biológico, no terreno com 2,79 há, situado na União de Freguesias de Atães e Rendufe. Miguel Figueiredo pretende desenvolver um projeto de Quinta Pedagógica num terreno com 1,27ha, situado na União de Freguesias de Serzedo e Calvos.

Os contratos entram em vigor a 18 de janeiro de 2019 e são válidos por 15 anos. A renda que os jovens agricultores irão suportar oscila entre 600 e 750 euros ha/ano.

A Vereadora do Ambiente, Sofia Ferreira, destacou o “sucesso da iniciativa” perante a vontade demonstrada pelos empreendedores na implementação de negócios de âmbito rural. “Tivemos estes dois candidatos que reuniram as condições e demonstraram vontade em proceder ao arrendamento destas duas parcelas de terreno”. No entanto, de acordo com Sofia Ferreira, outros são os apoiados pela Incubadora de Base Rural. “Temos mais produtores que estão em fase de implementação de negócio, porém não necessitam de terrenos porque já têm ou até porque há negócios nesta área que não necessitam de parcelas de terreno”, explicou.

Sofia Ferreira sublinhou que “este caminho é para continuar” lembrando que até 18 de dezembro estão a decorrer as candidaturas para a terceira fase do programa de incubação da IBR Guimarães, denominada “Networking e Cooperação”, fase de apoio à transformação de Planos de Negócio em Negócio, a qual tem disponível um sistema de incentivos, mediante candidatura, com apoio financeiro até 750 euros/mês para apoiar os candidatos durante os seis meses desta fase, conforme as condições descritas no Aviso de Abertura para Candidaturas“.

O Banco de Terras de Guimarães é um instrumento de transformação da estrutura fundiária funcional e pioneiro em Portugal que permite, por um lado, combater a desertificação e desordenamento do solo e da paisagem de Guimarães e, por outro lado, gerar rentabilidade a proprietários de terrenos abandonados ou sem utilização, arrendando-os a novos empresários que deles necessitem para criar riqueza e emprego. A Câmara Municipal de Guimarães atua como promotora e fiel depositária de ambos os players, proprietários e empreendedores, sendo esta sessão pública de atribuição de terrenos o culminar da fase de lançamento do Banco de Terras de Guimarães.

A Câmara Municipal de Guimarães lançou o Banco de Terras, primeiro Banco de Terras em Portugal, através da sua Incubadora de Base Rural (IBR Guimarães), como um instrumento através do qual os proprietários podem arrendar ao Município terrenos abandonados ou sem utilização, para que este os subarrende a empreendedores com vontade em criar o seu próprio negócio agrícola ou de base rural.

 A Incubadora de Base Rural de Guimarães, criada em julho de 2017, é um serviço de apoio ao empreendedorismo qualificado e criativo nas áreas da agricultura, agroindústria, serviços conexos e tecnologia aplicada ao meio rural, entre outros, que visa promover o crescimento económico de forma equilibrada em todas as freguesias do concelho, o desenvolvimento empresarial, a inclusão social, a sustentabilidade ambiental e o bom uso do solo no concelho de Guimarães.

Na fase inicial foram inscritos 28 terrenos, num total de 15 proprietários que aderiram a esta iniciativa, completando uma área total de 53 hectares. Foram abrangidas as freguesias de Airão S. João, Atães, Briteiros S. Salvador, Briteiros Sto. Estevão, Candoso S.Tiago, Fermentões, Gémeos, Gondar, Guardizela, Infantas, Longos, Rendufe, S. Faustino e Silvares.

As propriedades selecionadas para o Banco de Terras tiveram em linha de conta as seguintes caraterísticas: Solo agrícola, fundo (solo com pelo menos 40 centímetros de profundidade); Fertilidade (rico em fósforo, potássio, textura média ou grosseira ou ligeira ou fina, determinado por análise de solo ou avaliação do perfil de infestantes existentes); Problemas de drenagem ou problemas limitados de drenagem (menos de cem metros quadrados de terreno com excesso de água); Água disponível para rega (pelo menos 30 m3 por hectare de água disponível para rega por dia nos meses entre maio e setembro); Baixada elétrica na parcela ou no limite do prédio; Armazém agrícola em boas condições com a superfície mínima de 50 m2 e Acesso à parcela para camiões articulados.

Fonte: Município de Guimarães

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver. 

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será. 

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária:

MB Way: 919983484

Netbanking ou Multibanco: 

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Pub

Categorias: Economia, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.