Rita Sofia Vidal

Porto/Post/Doc | ‘Becoming Animal’ e ‘Graves without a Name’: filmes sobre a busca, um da vida o outro da morte

Porto/Post/Doc | ‘Becoming Animal’ e ‘Graves without a Name’: filmes sobre a busca, um da vida o outro da morte

 

 

 

A edição 2018 do Porto/Post/Doc: Film & Media Festival vogou entre “as margens da ficção” e desafiou “as convenções do cinema documental”. Para além de uma “mostra do cinema contemporâneo produzido no último ano e um estado do mundo”, o festival reuniu “autores consagrados e emergentes, portugueses e internacionais”. “Becoming Animal” e “Graves without a Name” são os dois filmes que me marcaram, de entre os que tive a oportunidade de assistir no festival de cinema Porto/Post/Doc.

Em “Becoming Animal”, com uma sensibilidade soberba, é filmada toda a natureza pertencente a uma floresta. Numa espécie de visita de estudo, os realizadores Emma Davie e Peter Mettler, na companhia do filósofo David Abram, partem para o Parque Nacional de Grand Teton, no estado americano de Wyoming. O que procuram é a ligação primordial e delicada entre o homem e a terra, hoje em dia tão ameaçada com o avanço tecnológico.

Os realizadores conseguem captar de um modo extremamente sensitivo uma natureza que não é de todo perfeita, e embalar-nos com a narração reflexiva de David Abram que chega a afirmar “quando toco uma árvore, também sinto a árvore tocar-me”. Esta não é uma narrativa antropocêntrica: o homem assume um papel de recetor, recolhe com os sentidos o que a natureza tem para lhe mostrar. É retratado o humano como um vaso recetor que se deixa atravessar, e ao mesmo tempo dá à natureza um modo de se entender a si mesma, como afirma o filósofo: “Podemos dizer que a natureza se percebe a si mesma
através de nós”. Somos lembrados da humildade que devemos a todos os seres e, por isso, a nós mesmos também – “Tantas coisas acordadas à noite quando nós bípedes vamos dormir”.

Com uma enorme delicadeza, este filme ensina-nos a colocarmo-nos no meio da natureza, em vez de acima dela; devolve-nos o papel primordial de bichos que também merecemos poder ser. Só precisamos às vezes de ser lembrados.

Becoming Animal, de Emma Davie e Peter Mettler – trailer

Também acerca de uma busca, mas esta muito mais sombria, “Graves without a Name” lembra-nos o poder de destruição que tem o humano, mas também o de nunca parar de procurar, apesar do que foi destruído. Rithy Panh, realizador cambodjano, documenta o mostruoso genocídio levado a cabo pelos Khmer Vermelhos no Cambodja. Fá-lo essencialmente através de relatos íntimos de pessoas que descrevem o que perderam, assim como através de filmagens das vidas espirituais dos cambodjanos. Tendo o budismo como a religião predominante, acreditam na existência da alma e na reencarnação. Num esforço incansável, procuram os corpos das vítimas que nunca foram devidamente enterradas durante o genocídio, para de algum modo conseguir contactar com elas e dar paz às suas almas, através de vários rituais.

Este filme é fundamentalmente um retrato intimista e comovente da dor humana, e das muitas formas de a enganar e contornar. Somos desafiados a pensar sobre a importância do mundo dos rituais e do espiritual (expresse-se ele através de que crença ou religião) do qual tantos de nós já nos desligámos faz tanto tempo.

Graves without a Name, de Rithy Panh – trailer 

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é uma publicação gratuita para os leitores e sempre será.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de multibanco ou netbankimg.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

 

Pub

Categorias: Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Rita Sofia Vidal

Rita Vidal, 21 anos, nasceu no Porto e vive até hoje a sua vida em Matosinhos, entre a cidade e o mar. Licenciou-se em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e desde muito cedo se encantou pelos livros e pela poesia. Publicou o seu primeiro livro “poemas colhidos das árvores” em setembro de 2018.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.