José Carlos Costa Marques

Ambiente | Em Famalicão 2017-2018 — Um novo impulso à cidadania ambiental?

Ambiente | Em Famalicão 2017-2018 — Um novo impulso à cidadania ambiental?

 

 

 

A partir de Famalicão — e tendo como datas de referência 7 de outubro de 2017 e 10 de novembro de 2018 — poderá estar a surgir no nosso país, ainda em fase embrionária, um novo impulso à cidadania em matéria de ambiente. Ou, pelo menos, e sobretudo, no Noroeste e Norte, grosso modo entre uma linha transversal que prolonga o curso do rio Vouga e outra semelhante no curso do Minho até à zona fronteiriça a Leste. Embora sem exclusões, para além de tais limites puramente práticos e flexíveis.

É um embrião que poderá ou não vir a desenvolver-se nos próximos anos. Tudo dependerá do que quiserem e forem capazes de fazer nos próximos anos os mais de 50 grupos, formais e informais, coletivos, associações, iniciativas, movimentos, projetos, e entidades, incluindo algumas poucas empresas, e os mais de 100 cidadãos, como representantes daqueles ou a título individual, que estiveram presentes — nalguns casos, que quiseram estar presentes sem o terem conseguido — em dois encontros realizados nessa cidade naquelas duas datas.

Ambos foram decorrentes da iniciativa e cooperação entre a Associação Famalicão em Transição e a Campo Aberto-associação de defesa do ambiente, sediada na região do Porto, tendo tido o apoio da Câmara Municipal de Famalicão, que disponibilizou para o efeito o auditório da Casa do Território, no belo Parque da Devesa, e em ambos se fez representar.

Toda a gente pelo ambiente?

Nas últimas décadas, a fragilidade, o perigo que corre o território, a natureza, a água, o ar, numa palavra, o ambiente em que vivemos, tornou-se omnipresente nos jornais, rádios e televisões, nas escolas, na boca dos responsáveis da administração e dos dirigentes políticos, e até na publicidade. Quer isso dizer que o nosso povo, o cidadão comum, está hoje bem consciente desses perigos e decidido a empenhar-se ou a colaborar na resposta que é preciso dar-lhes?

Há razões para duvidar.

Todo esse arsenal de discursos, propagandas, referências — com coisas positivas, sem dúvida —pode ter também por efeito, quando não acompanhado de ações coerentes e bem concebidas, orientadas para as soluções, um resultado inverso e perverso. O de criar um clima difuso de saturação, de banalizar as ameaças reais e habituar o ouvido a elas, condicionando como reflexo o clássico encolher de ombros ou o fazer ouvidos de mercador.

É frequente considerar-se o nosso povo como individualista e pouco propenso ao sentido da organização perseverante e de longo fôlego — ora é isso precisamente o que a nossa degradada situação ambiental exige.

Resulta desse civismo débil um associativismo algo anémico — em muitos domínios, e não apenas no do ambiente. Mas, neste, essa debilidade é também patente, e inibe e enfraquece muitas das boas iniciativas que vão surgindo, felizmente, um pouco por todo o lado, incidindo sobre os mais diversos aspetos ambientais.

Sair do isolamento, sair da impotência

Um dos fatores que mais vulnerável torna a cidadania e a intervenção de pessoas e grupos neste domínio é o sentimento de isolamento e a impressão de impotência que daí resulta. Ora, paradoxalmente, vêm também multiplicando-se as iniciativas e ideias criativas neste tema, ora por parte de grupos ora por vezes mesmo de pessoas isoladas.

Sair do isolamento, sair da ameaça de impotência, unir esforços, cooperar entre si e com todos os que partilham valores e preocupações idênticas, é pois, na visão dos que organizaram os dois encontros de Famalicão, o principal objetivo. A cooperação e a convergência serão a principal ferramenta para tornar cada vez mais presente na sociedade a ideia de que é possível, desejável e imperativo resistir à degradação ambiental. Para bem das gerações dos nossos filhos, netos e tetranetos — mas desde já para o de todos os que estão vivos.

Conseguiremos, não conseguiremos? Uma coisa parece certa. É no esforço de concertação, cooperação e convergência que reside o remédio e o antídoto para as muito compreensíveis reações de desalento e cansaço que atingem por vezes aqueles cidadãos mais lúcidos e empreendedores na resposta à crise ambiental, precisamente esses que sacodem o marasmo, a apatia, o desinteresse e a indiferença de muitos — e o cinismo e falsificações de alguns outros.

O caminho mal foi iniciado. Foi dado um passo, dois passos. Dir-se-ia, como diz o provérbio, que é meio caminho andado. Mas não nos iludamos. Muitos passos teremos ainda que dar — a não ser que nos deixemos paralisar, para regozijo de alguns setores que desejam tudo menos cidadãos empenhados, ativos e intervenientes.

Esperamos voltar em breve, com mais algumas notas para esta rota.

Se quiser juntar-se a nós: mailto: Carta de Famalicão

Para mais informações sobre os dois encontros: Carta de Famalicão – Encontros 2017 e 2018

 

Imagem: Parque da Devesa

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver. 

A Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será. 

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de multibanco ou netbanking.

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

 

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

José Carlos Costa Marques

José Carlos Costa Marques (Porto, 1945). Foi professor, tradutor e assistente editorial. Reformado, mantém atividade como pequeno editor. Intervém em movimentos ecológicos desde 1974. Atualmente presidente da direção da associação de defesa do ambiente Campo Aberto.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.