Vânia Ferreira

Conceitos | Maria Leal e a emancipação das mulheres – a visão de quem não se emancipou

Conceitos | Maria Leal e a emancipação das mulheres –  a visão de quem não se emancipou

 

 

A Maria Leal, fonte de uma grande inspiração e uma artista cujo talento é conhecido por todos, já foi casada, tem uma porrada de filhos e já é avó. E, para mim, o meu cérebro bloqueia neste ponto.

Vivemos num mundo de preconceito e a toda a hora julga-se quer pela aparência quer pelo extrato social ou até pelo título académico de cada um. No entanto, a dada altura, algures neste país, alguém olhou para um rato-toupeira com paralisia cerebral e sem dentes e resolveu dar-lhe um milhão em dinheiro e imóveis porque “ama” e “confia” naquela mulher. Meus amigos, se isto não é o grande símbolo da emancipação das mulheres, então eu não sei o que é!

Andam as Capazes a fazer aos três e quatro artigos sobre os beijos aos avós e ainda não tiveram tempo para congratular uma mulher que neste mundo de homens e tão misógino conseguiu levantar um império com o seu talento, destruir o espólio de um artista homem conhecido e reconhecido, usar o nome de uma família que não é dela, gozar de um milhão de euros, ter uma queixa crime e não haver como notificá-la porque a morada legal dela ainda é na casa do marido – que é um homem, pois claro. É ou não é ato de se tornar livre ou independente tal e qual como a emancipação sugere?

E toda esta história podia ser interpretada como sendo um golpe do baú, mas a verdade é que mesmo com mais de quinhentos mil euros em dinheiro ela continuou a vestir-se como uma prostituta barata, pédicure de quem lavra um campo com os pés e maquilhagem da loja do chinês. Por isso, aqui também se vê que não renega as origens e que o dinheiro não a alterou. Caraças!… Isto é o verdadeiro empoderamento feminino sob forma de uma luta humilde e consistente.

Sei lá eu se isto é a culpa dela ou do marido tolinho. Nem quero saber! O que para mim é verdadeiramente importante é como é que aquela catatua desafinada conseguiu que alguém assinasse um compromisso de casamento. Quanta confiança em nós próprios temos que ter para ter aquela cara e convencer, não um, não dois, mas muitos mais homens que tem vinte e oito anos numa altura em que tem quarenta e quatro. Acho absolutamente incrível!

E agora vem a parte melhor: lá meio perdido na reportagem, o marido tolinho conta que a “Bézinha”, conhecida pelo nome de Maria Leal, dizia conseguir entrar em contacto com o pai dele e que não só tinha este poder como vinha de outro planeta. Eu nem sequer estou a usar ironia nem sarcasmo, é mesmo a sério que ela lhe dizia. Diz o miúdo que ela sempre foi muito espiritual. Não é genial? C’um caneco!

São histórias bonitas como estas que mostram que qualquer um, independentemente das suas origens, sejam elas o planeta Terra ou outros, independentemente dos nossos talentos, sejam eles cantar ou gritos de dança da chuva, também pode convencer um alguém rico e jovenzinho a ser “tutor” de uma fortuna.

É bonito isto!

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver. 

A Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será. 

No entanto, a Vila Nova tem custos. Gostaríamos de poder vir a admitir pelo menos um jornalista a tempo inteiro que dinamizasse a área de reportagem e necessitamos manter e adquirir equipamento. Para além disso, há ainda uma série de outros custos associados à manutenção da Vila Nova na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de multibanco ou netbanking.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

 

Pub

Categorias: Crónica

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Vânia Ferreira

Licenciada em Relações Internacionais com especialidade em género, mas com uma paixão assumida pela geoestratégia. Profissionalmente ligada à moda, marketing e eventos na área do luxo. Provocadora de nascença e polémica por hobbie, vive a vida sem medo de brincar. Ambiciona um mundo em que todas as pessoas consigam galhofar com os seus próprios defeitos e com os dos outros sem que isso seja sinonimo de guerra.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.