notícia . análise . contexto . opinião

Guimarães

Cultura | Domingos Bragança: CIAJG afirmar-se-á através da mediação cultural com a educação

Cultura | Domingos Bragança: CIAJG afirmar-se-á através da mediação cultural com a educação

Pub

 

 

Domingos Bragança esteve presente na inauguração, este sábado, 20 de outubro, do último ciclo expositivo deste ano no Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG), com as exposições “Constelação Cutileiro” e “José Guimarães / Da dobra e do corte”, que estarão patentes até fevereiro de 2019.

 

 

Na altura, o presidente da Câmara Municipal de Guimarães, realçou a importância do  CIAJG para Guimarães considerando que a “mediação cultural com a educação” – através da Oficina – será o caminho para a afirmação no contexto local e regional, reafirmando ainda a necessidade de uma ampla reflexão para a projeção nacional e internacional.

“A Câmara Municipal, em sintonia com a Oficina, está a fazer um trabalho de alocação de recursos financeiros que é essencial e vai continuar a fazer a esse trabalho”, assumiu Domingos Bragança, na perspetiva de “afirmar a Plataforma das Artes e este Centro Internacional”. Destaca que “é importante uma afirmação local, no âmbito territorial, porque queremos que a Plataforma das Artes constitua um elemento cultural identitário com Guimarães”, mas também “afirmar ainda o CIAJ na dimensão regional, nacional e internacional”

Em representação da Oficina, Adelina Pinto, traçou o caminho para 2019 assente numa “forte componente na educação cultural” destacando uma “cultura indutora de mudanças” quer no contexto de escola como na sociedade. O caminho definido “terá bons resultados” releva Domingos Bragança ao “encetar com maior intensidade esta mediação cultural com educação”.

O presidente do Município pretende ainda promover uma “reflexão” a fim de “termos um Centro de Arte contemporânea reconhecido em todo o mundo”. “Sabemos que não é pela qualidade das exposições, quer permanentes quer temporárias, que a frequência do CIAJG não é aquela que desejaríamos que fosse. A quantidade dos visitantes é importante, mas não é essencial. O essencial é a qualidade das nossas exposições. No entanto, queremos ainda melhor e contamos com os contributos para as áreas em que podemos melhorar”, salientou Domingos Bragança, contando com a participação de pessoas de Guimarães, a nível nacional e internacional, para fazer esta ampla reflexão.

Numa mensagem direcionada ao Governo, o autarca de Guimarães lamentou a falta de apoios financeiros para a promoção da cultura e arte na terceira Capital Europeia da Cultura em Portugal. “Bastava passar para a responsabilidade da Câmara de Guimarães a gestão do Paço dos Duques e do Castelo. É certo que são monumentos nacionais, mas o Mosteiro dos Jerónimos também é monumento nacional e está sob a competência e responsabilidade da Câmara de Lisboa”, comparou Domingos Bragança.

 

Fonte: Município de Guimarães

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver. 

A Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será. 

No entanto, a Vila Nova tem custos à sua manutenção e desenvolvimento.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu contributo, ainda que simbólico, sob a forma de donativo através de multibanco ou netbanking.

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Pub

Categorias: Cultura, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.