1/10 a 2/6/2019 Vila Nova de Famalicão

Domus | Exposição de Serralves – A minha casa é a tua casa – patente até meados de 2019 no Parque da Devesa

Domus | Exposição de Serralves – A minha casa é a tua casa – patente até meados de 2019 no Parque da Devesa

Pub

 

 

José Pedro Croft, Pedro Cabrita Reis, Gil Heitor Cortesão, Ângela Ferreira e Luís Palma são apenas alguns dos artistas que estão representados na exposição “A minha Casa é a tua Casa – Imagens do doméstico e do urbano na coleção de Serralves“, que foi inaugurada esta segunda-feira, dia 1, na Casa do Território, no Parque da Devesa, em Vila Nova de Famalicão e ficará patente até junho de 2019. A mostra partilhada, que resulta do acordo de adesão do município de Famalicão ao Conselho de Fundadores da Fundação celebrado em 2016, reúne perto de duas dezenas de obras de artistas consagrados.

 

 

Durante o período durante o qual a exposição estará patente, irão decorrer um conjunto de atividades paralelas destinadas a todos os públicos.

Assim, já no próximo domingo, 7 de outubro, pelas 15h00, haverá uma visita guiada à exposição promovida por um responsável do serviço educativo de Serralves. Ao longo do período da exposição poderão ainda ser agendadas visitas orientadas para grupos.

No dia 22 de outubro, decorrerá uma ação de formação sobre a exposição, destinada a técnicos da área da cultura, educadores e professores. A entrada é livre, mas de inscrição obrigatória.

Para 2019, estão também já agendadas diversas oficinas para as famílias e escolas, para além de visitas ao território e passeios comentados e ainda um ciclo de conversas “à volta de Casa”.

“A minha casa é a tua casa” é uma exposição que coloca o doméstico e o quotidiano no centro das preocupações, propondo diferentes interpretações daquilo que se entende por casa.

Segundo a Fundação de Serralves, o título desta exposição “corresponde à expressão com que asseguramos a alguém que a nossa hospitalidade é sincera; também institui a casa enquanto centro de uma relação entre duas ou mais pessoas – dialética que pode sintetizar a dinâmica entre artista e espectadores: as casas imaginadas por artistas serão temporariamente a nossa casa”.

Desde que o homem se sedentarizou, a casa foi-se tornando centro de vida. É, por isso, para os artistas, tema tema e pretexto para a sua atividade. “Os artistas e as obras presentes nesta exposição colocam o doméstico e o quotidiano no centro das suas preocupações, propondo diferentes interpretações daquilo que se entende por casa. Para alguns, como Patrícia Garrido e Pedro Cabrita Reis, a casa é abrigo, lugar protetor de espera, evocador de estados e sentimentos como a solidão e a melancolia; para outros, casos de Ana Vieira, Juan Muñoz, Bruce Nauman e Gil Heitor Cortesão, ela é o local ideal para, através de um escalpelo analítico, identificar e falar de neuroses, de repressões; para outros ainda – Martha Rosler é exemplo paradigmático -, a casa, mais concretamente a cozinha, é símbolo da condição feminina e portanto cenário e objeto das mais ferozes críticas ao papel tradicional da mulher”.

Olhando-a através de um ou outro ponto de vista, “a casa parece sempre encetar um jogo subtil entre o privado e o público. Talvez por isso alguns dos artistas presentes em “A Minha Casa é a Tua Casa” sublinhem a relação da casa com a rua e com a cidade, dedicando-se a pensar questões eminentemente urbanísticas – casos de Ângela Ferreira, Gordon Matta-Clark e Luís Palma.”

Na sua apresentação sobre “A Minha Casa é a Tua Casa”, refere-se ainda que “estes artistas contrapõem modelos vernaculares de ampliação de casas (as marquises) ou um território desordenado em que se mesclam organismos urbanos e rurais, outrora coerentes e estanques, aos ideais utópicos e de libertação do homem que estiveram na base da arquitetura e do urbanismo modernistas”, aproveitando para concluir que “as casas destes artistas são a nossa casa”, ou não fossem elas as casas do seu tempo que é também o nosso.

 

Para a presidente do Conselho de Administração de Serralves, Ana Pinho, a realização desta exposição vem “reforçar os laços e a parceria com o município de Vila Nova de Famalicão. A Fundação sai dos seus muros e mostra-se num município que aposta fortemente na cultura”. A responsável salientou ainda a “forte componente do serviço educativo desta exposição, com oficinas e ateliers diversificados”.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Paulo Cunha, mostrou-se orgulhoso por esta parceria com a Fundação Serralves que se afirma cada vez mais como “um projeto cultural democrático e moderno”. “É um projeto do Norte que se afirma no contexto cultural nacional e internacional”, sublinhou o autarca, acrescentando que, com esta exposição, a fundação traz a Famalicão “um bom pedaço de Serralves”.

Recorde-se que, com a celebração do acordo de adesão do município famalicense a Serralves iniciou-se uma relação de cooperação entre estas duas instituições, baseada num projeto integrativo de promoção e divulgação cultural e ambiental, que entre outras atividades prevê, por exemplo, o acesso em Famalicão às inúmeras exposições itinerantes da Coleção de Serralves, entre outras iniciativas.

Neste âmbito, o Município de Famalicão tem marcado presença nas atividades de Serralves, nomeadamente na recente Festa de Outono, que decorreu no passado fim de semana, entre outras.

A Fundação Serralves é uma instituição de utilidade pública de que são fundadores, entre outros o Estado, e um importante conjunto de entidades singulares e coletivas, que representam a iniciativa privada, a sociedade civil e as autarquias. Ao todo, a Fundação Serralves conta neste momento com cerca de 241 fundadores.

 

A Minha Casa é a Tua Casa – Imagens do Doméstico e do Urbano na Coleção de Serralves

1 Outubro 2018 a 2 Junho 2019

Local: Casa do Território (Parque da Devesa)

Horário: 3ª a 5ª feira: 09h30-13h00 e 14h00-17h30; sábado, domingo e feriados: 14h30-18h30

Programação – Atividades paralelas

Visita orientada à Exposição

Data: 7 out │15h00 (com educador do Serviço Educativo de Serralves)

Público-alvo: Geral.

Nota: Ao longo do período de exibição, poderão ser agendadas visitas orientadas para grupos, com um mínimo de 10 participantes, em data e horário a combinar.

Condições: Gratuito.

Ação de Formação sobre a Exposição

22 out│9h30/17h00 (dinamização: Serviço Educativo de Serralves)

Público-alvo: Técnicos da área da cultura, educadores, professores…).

Condições: Gratuito. Inscrição prévia.

Oficinas / Workshops para famílias

– Lugares Íntimos (dinamização: Serviço Educativo de Serralves)

  13 jan 2019 | 15h00

– A minha casa é a tua casa (dinamização: A Casa ao Lado-Centro Artístico)

  10 fev e 14 abr 2019│15h00

(construção de uma instalação artística elaborada pela comunidade, a ser exposta no exterior)

Condições: Gratuito

Serviço Educativo para escolas

– Visita-conversa à Exposição (Público alvo: 2º, 3º CEB e Secundário)

– Oficina “A minha casa de sonho” (Público alvo: 1º e 2º CEB)

Condições: Gratuito. Inscrição prévia (Consultar o Plano de Atividades Educativas do Município de V.N. de Famalicão 2018-2019).

Visitas ao território / Passeios comentados – Tema: Arquitetura Contemporânea*

– Casa # doméstico │23 mar 2019│14h00

– Casa # urbano│11 mai 2019│14h00

Público-alvo: Geral

Condições: Gratuito. Inscrição prévia.

Ciclo de Conversas… À volta de casa*

fev│mar│abr 2019

Arte, criação artística e a sua relação/diálogo com a arquitetura será o mote destas conversas, onde se pretende a participação de alguns artistas representados nesta Exposição colocando-os em reflexão e diálogo com arquitetos convidados.

Público-alvo: Geral

Condições: Gratuito

*Com a colaboração do Departamento do Ordenamento e Gestão Urbanística da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão

 Observação: Programa em aberto e sujeito a atualização. Poderão surgir alterações, por razões não previstas e devidamente justificadas.

 

Fontes: Município de Famalicão e Fundação de Serralves

Imagens: (0, 1, 3, 4) Fundação de Serralves e (2) Município de Famalicão

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos. Gostaríamos de poder vir a admitir pelo menos um jornalista a tempo inteiro que dinamizasse a área de reportagem e necessitamos manter e adquirir equipamento. Para além disso, há ainda uma série de outros custos associados à manutenção da Vila Nova na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de multibanco ou netbankimg.

 

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

 

Pub

Categorias: Agenda, Arte

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.