Andréa Medeiros

Alimentação | Veganismo consciente

Alimentação | Veganismo consciente

 

 

Sou vegan por opção e, muitas vezes, me deparo com alguns comentários desagradáveis devido a minha escolha. Apenas optei por não me alimentar de nenhum ser vivo por ter tomado a consciência de que nenhum animal precisa morrer ou sofrer para que eu possa me alimentar ou me vestir.

É comum vermos nas redes sociais comentários sobre as alfaces e legumes que “morrem” para que os veganos possam se alimentar. A partir do momento que não possuem sistema nervoso central, não sentem qualquer dor ao serem cortados ou retirados da terra. A Revista Superinteressante publicou um artigo onde afirma quê: “Até hoje nenhum estudo científico conseguiu provar que elas tivessem essa capacidade. Para um ser vivo sentir dor, é preciso que ele tenha um sistema nervoso que consiga capturar a sensação de stress e levá-la a um centro capaz de processá-la – o cérebro. E plantas não têm cérebro”.

Ao contrário do que acontece com os animais por exemplo os porcos, que são tão inteligentes ou até mais do que os cães, porém estão presentes no prato diário do consumo humano, essa escolha entre comer uma espécie de animal e defender outra como animal de estimação tem um nome: especismo.

O ser humano por natureza não é carnívoro, considera-se que seja onívoro. Segundo um artigo publicado no Diário de Biologia: “Comparando a nossa anatomia fica ilustrado o fato de que o corpo humano foi construído para se basear em uma dieta vegetariana. Humanos não têm absolutamente nenhuma das características distintas anatômicas que os carnívoros ou até mesmo onívoros naturais têm”. Uma pesquisa realizada na Universidade de Washington em Saint Louis pelo pesquisador Jeffrey I. Gordon afirma que “o que prova que o ser humano é onívoro é a flora intestinal, ou seja, a variedade de micróbios no intestino que é muito parecida com a dos animais que comem de tudo”.

A questão do veganismo se prende pelo facto da maior parte das pessoas não ter informação sobre essa dieta e o seu estilo de vida, infelizmente ainda existe o mito de que os veganos são pessoas com forte tendência para serem anémicas. Quando uma pessoa opta por ser vegana deve levar em consideração que a dieta deverá ser bastante diversificada de forma a ingerir em pequenas quantidades e diariamente vitaminas, minerais, proteínas e todo tipo de nutrientes necessários para o bom funcionamento do nosso organismo.

Em 2016 a BBC News publicou uma série de orientações sobre a nutrição vegana, embora citem que a vitamina B12 seja de origem animal hoje em dia já encontramos B12 de origem vegetal. Também encontramos algas em pó que facilitam o seu consumo no dia a dia tais como a Spirulina. Jesús Román (BBC) presidente da Sociedade Espanhola de Nutrição e Ciências da Alimentação, explica: “Quando um grupo de alimentos é eliminado, neste caso de forma muito ampla, uma vez que são descartados todos os alimentos de origem animal, há uma série de nutrientes que são muito difíceis de se obter comendo apenas verduras”. Daí a importância da diversidade onde seja ingerido frutas, legumes, verduras, leguminosas, frutos secos, sementes, grãos variados, cereais e produtos a base de soja.

Como em toda alimentação, seja vegana ou não se não for planeada e equilibrada poderá causar danos na saúde. Particularmente pessoas que têm pouco ou nenhum conhecimento sobre o veganismo, recomendo a consulta de um nutricionista pelo menos para a fase de transição.

 

Ligações:

https://super.abril.com.br/ciencia/planta-sente-dor/

https://diariodebiologia.com/2016/07/herbivoro-carnivoro-onivoro-alimentacao-natural-ser-humano/

http://science.sciencemag.org/content/320/5883/1647

https://www.bbc.com/portuguese/geral-36446864

 

Imagem de destaque: Vegetais saudáveis (Ed Gregory; fotografia)

 

Pub

Categorias: LifeStyle, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.