Cinema | 5 Cigarrilhas, de Passos Zamith, vence Competição Avanca no Avanca Film festival

Cinema | 5 Cigarrilhas, de Passos Zamith, vence Competição Avanca no Avanca Film festival

Pub

 

 

 

O famalicense Passos Zamith acaba de ver a sua curta-metragem 5 Cigarrilhas receber o prémio de melhor filme na Competição Avanca, uma das competições em jogo na 22ª edição do Avanca Film Festival, festival de cinema co-organizado pelo Cineclube de Avanca e pela Câmara Municipal de Estarreja. A Competição Avanca é destinada à apresentação, em competição, de curtas-metragens produzidas ou co-produzidas no território onde o festival se insere.

Considerando ser a ‘Competição Avanca’ uma das mais aguardadas, o júri do filme distinguiu a curta-metragem 5 cigarrilhas de Passos Zamith, o fotógrafo famalicense nascido em 1964 e que tem “paixão por fotografar o movimento“. O filme narra a história de um velho idoso que desafia um jovem que acabou de conhecer numa esplanada perto da praia. Neste momento, duas realidades se chocam: de um lado, temos alguém que, devido à idade, conhece os segredos da vida, valoriza as pequenas coisas e vive cada dia como se fosse o último; do outro, encontramos a vitalidade, inocência, paixão e deslumbramento características da juventude. O filme 5 Cigarrilhas conta com a representação de com Eloy Monteiro, Telmo Cunha e João Silva nos principais papéis.

 

Outros prémios do Avanca Film Festival

O ‘Competição Avanca’ premiou ainda o documentário “Casa Amarela” de Ana Luísa Lopes. O júri foi constituído pelo cineasta Bernardo Cabral, pelo crítico de cinema Nuno Reis e pelos programadores Pedro Meireles e Judite Barros da Costa.

Nas longas-metragens nesta Competição Avanca, o júri distinguiu “Uma Vida Sublime”, de Luís Diogo, com o Prémio Melhor Longa Metragem, sendo já o 11º prémio que este filme recebe em 2018, e e atribuiu o Prémio Estreia Mundial ao filme “Pretu Funguli”, de Costa Valente e Monica Musoni.

O Rei dos Belgas” é  o grande vencedor do “22º Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia – AVANCA 2018”, encerrando 10 dias de festival e 5 dias de competições, conferências e workshops internacionais e exposições, este festival atribuiu prémios a filmes e autores de 11 países. “O Rei dos Belgas”, dos realizadores Peter Brosens e Jessica Woodworth, arrebatou o Prémio Cinema para a Melhor Longa Metragem e o Prémio D. Quixote da FICC – Federação Internacional de Cineclubes.

Sobre o filme “O Rei dos Belgas”, o Júri da FICC, constituído por Christl Grunwald Merz (Alemanha), Mokhlesur Rahman Talukdar (Bangladesh) e João Paulo Macedo (Portugal), disse que o filme “aponta contradições entre as boas intenções da fundação da União Europeia e também das Nações Unidas e as realidades vividas na Europa após a 2ª Guerra Mundial. Neste aspeto, a Guerra dos Balcãs e as transformações pós 1989 são claramente mencionadas de forma muito crítica”.

Esta é a terceira vez que o casal de origem belga e americana ganha o principal prémio do Avanca Film Festival. A primeira vez foi em 2008 com “Khadak”, um filme rodado na Mongólia, vitória que se repetiria em 2010 com “Altiplano”, este último rodado no Peru.

Salientam-se ainda os prémios de Melhor Atriz atribuído a Maruša Majer, que protagonizou “Ivan” e o Prémio Melhor Ator entregue a Oleg Shibayev pela sua participação no filme “A Floresta”.

O Prémio Curta Metragem foi para “Terra Amarela” de Dinis M. Costa e a animação, “Playing House” de Özgül Gürbüz e Cenk Köksal  da Turquia, foi distinguida com o Prémio Melhor Animação.

O júri cinema foi constituído pelo jornalista Germano Campos e pelos cineastas Angelique Muller (Malta), Masoud Soheili (Irão), Simone Saibene (Itália, Espanha), Lolo Arziki (Cabo Verde) e José Carlos de Oliveira.

De acordo com a organização do Avanca Film Festival, 10 filmes portugueses encontram-se entre os premiados desta 22ª edição do festival de cinema.

Já este mês, a Câmara Municipal de Estarreja e o Cineclube de Avanca, pela voz de Isabel Simões Pinto, vereadora da Cultura, anunciaram que iriam criar um fundo de produção cinematográfica para financiar a produção local. “A parceria entre a Câmara de Estarreja e o Cineclube de Avanca vai ser reforçada, com a criação de um fundo de produção cinematográfica”, o “Avanca Film Fund”, desde já dotado pela autarquia com dez mil euros.

Para António Costa Valente, presidente do Cineclube de Avanca que vem organizando o festival, “passados 21 anos, mais de 100 filmes produzidos e com mais de 300 prémios recolhidos pela produtora local, há condições únicas para que Estarreja possa ter uma indústria cinematográfica relevante”.

 

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983404

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

 

Pub

Categorias: Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Pedro Costa

Diretor e editor.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.