Paulo Cunha: Obras de regeneração urbana pretendem dar melhores condições a património público

Urbanismo | PEDU: Mercado Municipal de Famalicão e Cine-Teatro Narciso Ferreira de Riba d’Ave com início da reabilitação ainda em 2018

Urbanismo | PEDU: Mercado Municipal de Famalicão e Cine-Teatro Narciso Ferreira de Riba d’Ave com início da reabilitação ainda em 2018

Pub

 

 

Paulo Cunha, Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, anunciou esta manhã o início em 2018 da reabilitação do Mercado Municipal e do Cine-Teatro Narciso Ferreira de Riba d’Ave, assim como das respetivas zonas envolventes, ao abrigo do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU).

Após aprovação em Reunião de Câmara, Paulo Cunha deu a conhecer, em conferência de imprensa, as mais emblemáticas obras do PEDU – o Mercado Municipal e o Cine-Teatro Narciso Ferreira -, tendo apresentado as linhas gerais que nortearam o Município famalicense nestas intervenções urbanísticas. Estas “são duas obras de regeneração urbana que pretendem dar melhores condições a património público onde, ao longo dos anos, têm vindo a ser incorporadas diferentes valências.”

Assim, se por um lado foram tidas em conta as estruturas arquitetónicas existentes, assumindo-se a preocupação essencial de manter as suas traças, até porque são pertença da memória de ambas as comunidades, por outro a autarquia pretende também projetar estes dois edifícios para o futuro atendendo a uma utilização mais em sintonia com a realidade contemporânea.

Mercado Municipal em Vila Nova de Famalicão

“O Mercado é um dos elementos caracterizadores da cidade e do Concelho”. Aliás, referiu o Presidente do Município, trata-se de “um espaço que tem vindo a ser muito mais do que um mercado ou uma praça, é um ponto de referência de cidadania e de encontro dos famalicenses.”

Deste modo, mais do que recuperar um edifício, pretende-se “recuperar a influência que perdeu ao longo dos anos.” Deste modo, exigia-se uma “intervenção no edificado, sobretudo em torno da sua funcionalidade”. Atendendo a que os “padrões de consumo e de comercialização mudaram, há que ir ao encontro dessa mudança de estereótipos.”

Nos dias que correm, “o padrão de consumo evoluiu, os cidadãos pretendem viver um novo espaço. Os produtores querem apresentar os seus produtos de forma adequada” aos tempos em que vivemos, os consumidores, por seu lado, pretendem “encontrá-los num contexto de confiança, comodidade,  qualidade e preço.”

Segundo o autarca, com esta reabilitação pretende-se que este novo Mercado “passe a ser um espaço de convívio inter-geracões,” pelo que “o velho Mercado não irá desaparecer.” A edilidade pretende que o ambicioso projeto arquitetado para o Mercado  represente um “cruzamento entre passado e futuro.”

Outro dos objetivos desta estratégica intervenção no coração da cidade é a “dinamização de um comércio de proximidade” quer na cidade quer no Concelho de Famalicão. Reforça Paulo Cunha: “Quanto mais gente frequentar a cidade, quanto mais gente habitar a cidade, mais este sai favorecido.”

“Muito mais do que uma obra num edifício, há toda uma dimensão de valências – comércio tradicional, bares, restaurantes, palco para apresentações e concertos, sala destinada a apresentações e workshops – que se pretende construir. Há uma dimensão imaterial que suplanta, de longe, a dimensão material” da obra.

Vila Nova - Famalicão Online | PEDU -Mercado Municipal (projeto)

Cine-Teatro Narciso Ferreira em Riba d’Ave

Sobre o Cine-Teatro Narciso Ferreira, Paulo Cunha referiria que, de entre diversas outras estruturas físicas da localidade, “é a mais importante valência de dimensão social e cultural de Riba d’Ave. ” Sem que esteja na sua génese, “a família Sampaio Ferreira marca a localidade.”

Referindo que o Cine-Teatro foi descontinuado devido aos novos conceitos surgidos nas últimos anos também nos serviços ligados à cultura, o edil referiu que, hoje em dia, o cinema, o teatro e outras formas de arte se veem de novas formas, pelo que o “público atual exige novos equipamentos.”

Afirmando que pretende a recuperação de Riba d’Ave, o Presidente do Município considera que a recuperação deste edifício é essencial para o efeito. Tomando por certo que haverá cuidado na preservação da arquitetura, pretende-se também que este “novo conceito de espaço e equipamento cultural seja de excelência.”

O investimento a realizar em Riba d’Ave será um investimento em contraciclo. A autarquia deseja que a unidade cultural a implementar venha a ser “um espaço de referência e ajude a comunidade a encontrar novas soluções.”

Nesse sentido, ao longo dos últimos 5 a 6 anos, a autarquia implementou uma comissão local de acompanhamento que envolveu a comunidade. “Este serviço não pode ser chave-na-mão. O objetivo é criar uma dinâmica cultural na região (Famalicão, Guimarães, Stº. Tirso)”, funcionando Riba d’Ave como um polo aglutinador de interesses.

Asseverando que se pretende que “esta comunidade ganhe hábitos de fruição dos equipamentos culturais”, concluiu com a ideia de que a mesma deverá ser também “produtora de cultura”, deixando uma palavra adicional de incentivo à criação ou renovação de coletividades e grupos ligados ao cinema, ao teatro ou à dança. ” Não queremos que a obra fique sem utilização e frequência.” Nesse sentido, segundo apuramos, o Cine-Teatro de Riba d’Ave deverá vir a funcionar, de certo modo, como um polo da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.

As duas obras, enquadradas no Programa Operacional Regional do Norte – Norte 20.20, Mercado Municipal e Cine-Teatro Narciso Ferreira, têm um valor-base estimado de 6,5 milhões de euros, respetivamente 3,5 milhões e 3 milhões, aproximadamente, para cada uma delas. O prazo de conclusão estimado após o início das obras, por seu turno, é de 12 e 15 meses após a publicação do resultado dos concursos públicos a que estão sujeitas.

Imagem de destaque: Mercado Municipal e Cine-Teatro Narciso Ferreira – montagem realizada a partir das atuais estruturas (Município de Vila Nova de Famalicão)..

Outras imagens: Mercado Municipal e Cine-Teatro Narciso Ferreira – projetos (Imagens virtuais; Município de Vila Nova de Famalicão).

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial) ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

About Author

Pedro Costa

Diretor e editor.

Comentários

Only registered users can comment.