Zélia Gonçalves

Igualdade de Género | Otimizar hoje para a mudança de amanhã

Igualdade de Género | Otimizar hoje para a mudança de amanhã

Pub

Zélia Gonçalves é professora no Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco. Desde há muito interessada pelas questões de Igualdade de Género, reflete neste seu primeiro artigo sobre uma das preocupações essenciais da sociedade contemporânea.

.

.

Enquanto mulher (…) desejo contribuir de forma peculiar na promoção da Igualdade de Género, fazendo com que cada um se coloque na “pele de outrem”, (…) promovendo a igualdade entre homens e mulheres. Daqui a 10 anos, todos terão um maior gozo dos seus direitos numa perspetiva da Igualdade de Género.

.

.

Partilha e inteligência na Igualdade de Género

Enquanto mulher, filha, mãe, tia, prima, madrinha, educadora, professora desejo contribuir de forma peculiar na promoção da Igualdade de Género, fazendo com que cada um se coloque na “pele de outrem”, sabendo escutar, compreender e respeitar as perspetivas de outros; permitir que participem em debates, respeitando as regras do debate democrático, fundamentando as suas opiniões e respeitando a dos outros; permitir que aprendam a respeitar cada pessoa independentemente de diferenças de capacidade, género, raça, cultura e apreciarem e aprofundarem semelhanças de todos os seres humanos e a sua diversidade; permitir reconhecer formas de discriminação e propor vias de as superar.

A partilha de experiências e o vivenciar de situações por cada um afigura-se eficaz na construção de conhecimento e promove a diminuição de diferenças. Como educadora julgo que a escola pode assim associar as ideias de inteligência e de partilha, num novo papel, como refere o autor Celso Antunes (2000).

.

Intervir para mudar de atitude

O nosso mundo não se vai alterar apenas com a mudança de equadramento conceptual, mas, devido a ele, modificaremos (ou não) o modo como passarmos a ver esta temática.

Na Declaração Universal dos Direitos do Homem, no Preâmbulo, afirma-se: “Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo”, então cada um de nós pode intervir ativamente para a mudança alicerçando a nossa conduta em três pilares fundamentais: informar, formar e intervir, na adoção de princípios de equidade, numa linguagem neutra, promovendo a igualdade entre homens e mulheres. Fazendo, com mestria, refletir e tomar consciência. João Formosinho corrobora este pensamento quando afirma que “Todas as pessoas têm capacidade para aprender desde que seja respeitada como pessoa, ou seja, a sua forma pessoal de aprendizagem” (2004).

É clara a Lei n.º 93/2017, no seu Artigo 2.º – Âmbito quando diz que “1 — A presente lei é aplicável a todas as pessoas singulares e coletivas, públicas e privadas, no que respeita: a) À proteção social, incluindo a segurança social e os cuidados de saúde; b) Aos benefícios sociais; c) À educação; d) Ao acesso a bens e serviços e seu fornecimento, colocados à disposição do público, incluindo a habitação; e) À cultura.

É necessário saber para poder respeitar e cumprir a lei. Todos têm a capacidade de promover a igualdade de género, de oportunidades e de fazer deste tema a sua voz. Pela minha parte, quero “ter uma voz” e não impor a minha voz.

.

Otimizar

O respeito pela Igualdade de Género é crucial. Como diz Delors (1996): “A educação deve conferir a todos a liberdade de pensamento, de discernimento, sentimento e imaginação de que necessita para desenvolver os seus talentos e permanecerem, dentro do possível, donos do seu próprio destino.”

Como cidadãos, é nosso dever otimizar a curiosidade, o interesse, a atenção e, consequentemente, contribuir para a promoção da Igualdade de Género numa aprendizagem, num crescendo com sucesso, alargando a definição “promoção da Igualdade” à dimensão socioemocional e pessoal da Criança/Adulto(a)/Todo(a), na sua dimensão pessoal, social e académica. Otimizar hoje para a mudança de amanhã!

.

Daqui a dez anos?

A questão ainda não estará resolvida, mas, sem dúvida, todos terão um maior gozo dos seus direitos numa perspetiva da Igualdade de Género. Ter-se-á feito um caminho definido e traçado individualmente, por um conjunto de exigências curriculares e sociais predeterminadas, bem como a construção de valores pessoais e sociais. Muito ainda vai acontecer…

.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver. 

A Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será. 

No entanto, a Vila Nova tem custos. Gostaríamos de poder vir a admitir pelo menos um jornalista a tempo inteiro que dinamizasse a área de reportagem e necessitamos manter e adquirir equipamento. Para além disso, há ainda uma série de outros custos associados à manutenção da Vila Nova na rede. 

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de multibanco ou netbanking.

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

 

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Zélia Gonçalves

Zélia Gonçalves é mestre em Literatura Moderna e Contemporânea, tem o Curso de Pós Graduação em Educação Especial e Especialização em Igualdade de Género. Professora do 1º ciclo, do 2º ciclo de Português e de Educação Especial na EB2/3 Júlio Brandão, Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco, V. N. de Famalicão. Formadora – nas áreas de Português; Educação Especial; Sensibilização à Educação Especial, Educação Parental e Igualdade de Género. Co-autora do livro “Ver de Ver a diferença”.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.