Avifauna da Devesa

Viúva-de-cauda-comprida (Vidua macroura), uma exótica africana desde 2013 em Famalicão

Viúva-de-cauda-comprida (Vidua macroura), uma exótica africana desde 2013 em Famalicão

Pub

 

 

A Viúva-de-cauda-comprida, uma ave exótica originária de países da África subsaariana, como Senegal, Etiópia, Zimbabwe, África do Sul e Moçambique, tem sido observada em Portugal, com especial incidência na zona de Aveiro. Motivos para a sua observação são as fugas de cativeiro, as libertações voluntárias pelo Homem e, mais recentemente, também em resultado da própria reprodução.

De acordo com os registos obtidos, a espécie visita o Parque da Devesa desde 2013, verificando-se, de um ano para outro, um aumento significativo do número de indivíduos observados.

Recordo e partilho o momento único da primeira observação. Naquela manhã de início de outono, fui surpreendido pelo canto e pelo voo singular de um macho sobre o prado, próximo do lago. Entretanto pousou no chão para se alimentar. Aproximei-me um pouco e comecei a fotografá-lo sem que desse pela minha presença. Passados alguns minutos, ouvi um canto de alarme vindo do cimo de uma árvore. O que se encontrava no solo baixou-se imediatamente e ficou imóvel. De seguida, o outro, numa autêntica algazarra, sobrevoou-me e distraiu-me por escassos segundos. Quando procurei de novo o que estava a fotografar, já tinha fugido. Fugiram os dois…

1.ª observação da Viúva-de-cauda-comprida (Vidua macroura), macho, plumagem nupcial

Identidade

O seu nome científico é “Vidua macroura” e pertence à família “Viduidae”, da ordem dos “Passeriformes”. Existem outros nomes comuns pelos quais também é conhecida, como por exemplo, “Viuvinha” ou “Viuvinha-de-bico-de-lacre”.

 Características

Na época de reprodução o macho apresenta uma plumagem nupcial. O bico é vermelho; a parte superior da cabeça e as costas são pretas; as asas são pretas com um mancha branca; as faces, a base do pescoço, o peito e a barriga, são brancos; a cauda tem umas penas pretas e compridas (aproximadamente o dobro do comprimento do corpo); as patas são escuras.

Fora dessa época o macho é semelhante à fêmea, com bico vermelho, cabeça, costas e asas com manchas pretas e acastanhadas e parte inferior com tom mais claro, entre o beje e o branco.

Os juvenis nascem com bico preto, parte superior castanho escuro e parte inferior castanho claro. À medida que vão crescendo a cor do bico vai mudando para vermelho.

Viúva-de-cauda-comprida (Vidua macroura), fêmea

Habitat

Normalmente procura locais como jardins e prados, com árvores dispersas e proximidade a cursos de água.

Alimentação

Trata-se de uma espécie granívora que se alimenta de sementes que encontra no solo.

Reprodução

O período de reprodução acontece entre os meses de agosto e novembro, sendo os meses de setembro e outubro aqueles que registam maior atividade. Nestes meses é possível admirar os machos, com plumagem nupcial, executando os seus rituais de acasalamento, exibindo os seus cantos e danças perante as fêmeas.

A Viúva-de-cauda-comprida (Vidua macroura) é uma ave parasita, o que significa que se serve de outras espécies, os hospedeiros, para a incubação dos ovos e a criação dos seus filhos. A fêmea substitui os ovos do hospedeiro por um ou dois dos seus, repetindo este procedimento em mais que um ninho.

O seu principal hospedeiro é o Bico-de-lacre (Estrilda astrild), outra espécie exótica existente no nosso país há vários anos.

Em outubro de 2016 e de 2017, no Parque da Devesa, foram observados adultos de Bico-de-lacre (Estrilda astrild) a alimentarem, simultaneamente, as suas próprias crias e as de Viúva-de-cauda-comprida (Vidua macroura).

Da esquerda para a direita: um juvenil de Bico-de-lacre (Estrilda astrild) e dois juvenis de Viúva-de-cauda-comprida (Vidua macroura)

Ocorrência

Os registos efetuados pelo Projeto Avifauna do Parque da Devesa verificaram-se entre os meses de setembro e dezembro, desconhecendo-se exatamente o que sucede nos restantes meses do ano. Admite-se, no entanto, que a maior dificuldade na observação fora do período de reprodução possa ter que ver com a sua deslocação para outras regiões ou habitats, em busca de alimento, ou com a possibilidade de passarem mais despercebidas entre outras espécies após a mudança da plumagem.

Viúva-de-cauda-comprida (Vidua macroura), macho, plumagem nupcial

Meses do ano com registo de observações: setembro, outubro, novembro e dezembro.

Local com maior probabilidade de observação assinalado no mapa.

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

A Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Muito obrigado pela sua atenção.

*

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Ciência, Fauna, LifeStyle, Natureza

About Author

António Cruz

António Cruz, auditor de profissão, dedica parte do seu tempo livre à observação e fotografia de aves. Em junho de 2013, criou o projeto “Avifauna do Parque da Devesa – Observação e Registo”, com o objetivo de promover a observação, a identificação, o registo fotográfico e a divulgação das espécies que residem ou visitam o Parque.

Comentários

Only registered users can comment.