Biografia | Manuel Silva Mendes – entre o anarquismo e o taoismo

Biografia | Manuel Silva Mendes – entre o anarquismo e o taoismo

Pub

Retrato de Manuel Silva Mendes

Amadeu Gonçalves, historiador, debruça-se sobre Manuel Silva Mendes e a sua obra.

 

No seu tempo, Manuel Silva Mendes era “considerado pelos seus inimigos políticos famalicenses como sendo o mais “ateu”, o mais “anarquista”, o mais “vermelho” dos republicanos de V. N. de Famalicão”.

 

Manuel Silva Mendes foi um filósofo, político e pedagogo português. Quando nasceu em S. Miguel das Aves (25/10/1867), esta freguesia pertencia ao concelho de V. N. de Famalicão; com a reforma administrativa de 23 de Junho de 1879 passa a integrar o concelho de Santo Tirso. Realça-se, indiscutivelmente, no plano filosófico, como divulgador das ideias do socialismo libertário ou anarquismo nos finais do século XIX com a obra Socialismo Libertário ou Anarquismo: história e doutrina.

Formado em Direito na Faculdade da Universidade de Coimbra, quando termina o mesmo, em 1895, casa nesta mesma cidade com Helena Berta Augusta Danke no dia 6 de Abril de 1901, preceptora dos filhos de Bernardino Machado. Exerceu a advocacia em V. N. de Famalicão e, nesta fase, publica, em 1896, Reflexões Jurídicas: acção de processo ordinário: contrato de empreitada.

No plano cívico-social, em V. N. de Famalicão, chegou a ser Presidente da Direcção da Real Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de V. N. de Famalicão (1898), dinamizando a Banda Musical da mesma instituição social; participa activamente nas campanhas do Partido Republicano; é amigo dos principais elementos do Partido Regenerador, caso de Santos Viegas, e do Barão de Trovisqueira, do Partido Progressista, tecendo-lhes, aliás, rasgados elogios públicos e colabora na imprensa famalicense, nomeadamente i) O Porvir, ii) O Minho e o iii) Regenerador. A colaboração no primeiro cingiu-se a quatro textos: i) Reformas, Aposentações, Direitos Adquiridos, ii) A Dissolução da Banda dos Bombeiros Voluntários, iii) Creta e iv) Canovas del Castillo. Enquanto o primeiro é notável pela profecia que evoca perante a reforma da Administração Pública, nomeadamente no combate contemporâneo dos direitos adquiridos, os quais foram, na sua acepção, uma ideia do estado liberal e da burocracia, bem como dos funcionários do Estado, o segundo fala-nos, tal como o próprio título o indica, da decisão da direcção da Associação dos Bombeiros Voluntários ter dissolvido a respectiva Banda, a qual faz parte dos estatutos da mesma instituição e defende a alteração dos mesmos. Por seu turno, evoca-nos o terceiro o conflito entre a Grécia e a Turquia, pretendendo a primeira nação a ilha de Creta na posse da segunda, e do papel das potência europeias que, entretanto, se envolvem no conflito. Finalmente, o último pode ter já incidências filosófico-políticas, já que assinala a confusão que a imprensa da época efectuava entre os falsos e os verdadeiros libertários. No segundo, publica um elogio ao Barão da Trovisqueira, o self made-man famalicense, e efectua uma recensão ao livro de Eduardo de Carvalho com o título Formas do regime Matrimonial: da separação de bens e simples comunhão de adquiridos. Finalmente, no último, efectua uma outra apologia, desta vez a Santos Viegas, ao lado de nomes como Augusto Monteiro; Delfim de Carvalho, Pinto Novais, Abade de Avidos, A. Dias Costa, entre outros (personalidades ligadas ao Partido Regenerador) e escreve um texto intitulado A Questão da China, assinando simplesmente com as iniciais S. M., comentando a guerra que os chineses tinham desencadeado com os «diabos» estrangeiros, sendo assim que então os orientais designavam os europeus que então lá se encontravam estabelecidos. Ainda escreve um monólogo, entre a opereta e a comédia, para o Grupo Dramático Visconde de Gemunde (1898), participando na Tuna Famalicense (1900), sob a regência de Daniel Correia.

Capa da mais importante obra do filósofo famalicense, Socialismo Libertário ou Anarchismo; o livro foi publicado originalmente na Editora Minerva em 1896.

Considerado pelos seus inimigos políticos famalicenses como sendo o mais “ateu”, o mais “anarquista”, o mais “vermelho” dos republicanos de V. N. de Famalicão (tal como ele nos conta no seu texto de memória Macau: impressões e recordações, com uma edição em 1979 e republicado na Antologia dos Autores Famalicenses, em 1998), enquanto nas suas palavras se cognomina como “republicaneiro” mais do que propriamente um “republicano”, o seu livro Socialismo Libertário ou Anarquismo (1896), foi considerado por Sampaio Bruno como um “livro notável”, ou, ainda, mais recentemente, como é o caso de João Freire (que prefacia a reedição facsimilada da obra em 2006): “a obra de Silva Mendes tem uma informação e um tratamento mais alargado no plano histórico e ideológico” do que Eltzbacher com o título As Doutrinas Anarquistas (1908), aproximando-se do socialismo utópico quando afirma que “é uma utopia formidável ou uma fatalidade social”, ou então quando nos fala da sua obra nos seguintes termos: “nem defende, nem aconselha, nem aplaude, nem provoca, expõe. E quem pretende, simplesmente expor, fica bem atrás da tela.” O que poderia ser uma defesa relativamente à então Lei de 13 de Fevereiro de 1896 contra qualquer actividade anarquista, ameaçando os seus autores com a deportação, revela uma indignação moral, como foi a chamada de atenção na recensão da obra que Sousa Fernandes efectuou. Aliás, ao longo do livro, Mendes simpatiza-se com Fourier e Bakounine, elogia Proudhon e mantém com Marx uma postura de recusa e de aproximação, clarificando o ideal do anarquismo individualista. Nesta perspectiva, não será em vão que traduz, em 1898, o poema de Schiller Guilherme Tell, personagem em que revê o individualismo anárquico-metafísico, o qual lhe irá abrir caminho para o taoísmo. Será, precisamente, o livro Socialismo Libertário ou Anarquismo que lhe irá trazer alguns dissabores perante a elite famalicense conservadora.

Em 1901, Silva Mendes foi para Macau leccionar no respectivo Liceu (através da influência de Santos Viegas), no qual exerceu o cargo de Reitor-Interino por duas vezes (1904-1907 e 1909-1914), leccionando português e latim, tendo como colegas de docência Camilo Pessanha e Wenceslau de Morais. Para além da docência, exerceu a advocacia, tendo sido Juiz de Direito e do Procurador da República. Para além deste âmbito, teve uma actividade cívico-social e político-cultural de destaque, tendo sido Presidente do Leal Senado e Administrador do Concelho; é conhecido como um reputado sinólogo (um colecionador notável da arte chinesa). Aliás, convém salientar, senão mesmo destacar, que o Museu Luís de Camões, em Macau, foi constituído com base no seu espólio particular, o qual foi então adquirido pelo Estado português. Como tal, foram publicados postumamente os seus estudos Barros de Kuang Tung (1967) e Arte Chinesa: colectânea de artigos (1983).

Manteve uma colaboração notável na imprensa macaense, nomeadamente Vida NovaO Macaense, O ProgressoA PátriaO Jornal de MacauA Voz de Macau, assim como também nas revistas Oriente e Revista de Macau. A sua colaboração na imprensa macaense foi reunida em sete volumes por Luís Gonzaga Gomes: Colectânea de Artigos (1949-1950) e Nova Colectânea de Artigos (1963-1964).

Em alguns autores existe a teorização de que não há continuidade no seu pensamento após a sua ida para Macau. Antes pelo contrário: a radicalização do individualismo ético-social do socialismo utópico (a liberdade natural) vai encontrá-la na Filosofia Oriental, mais propriamente no Taoísmo. Estas ideias vão ser detectadas em textos como Lao-Tzé e a sua Doutrina segundo o Tao-te-King (1908) e no famoso Excertos de Filosofia Taoista (1930) ou mais recentemente Sobre Filosofia, uma edição organizada por António Aresta, com uma introdução do mesmo.

No campo pedagógico, pressupõe Mendes uma reorganização do ensino em Macau, tal como o demonstra nos textos seleccionados para o livro Introdução Pública em Macau (1996), numa organização e com uma introdução de António Aresta, o qual nos diz que “estamos perante um pensamento pedagógico, que nunca encontrou terreno para uma discussão aberta”, tendo sido “o primeiro grande subsídio para a compreensão global do fenómeno educativo de Macau. Nestes textos são apresentadas questões de educação e ensino, entre os quais projectos de reforma, assuntos vários relacionados com o Liceu e o curso comercial, o estado do ensino em Macau, o ensino moral e a co-educação liceal.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983404

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

 

Pub

Categorias: Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Amadeu Gonçalves

Técnico-Superior do Município de V. N. de Famalicão é licenciado pela Faculdade de Filosofia de Braga / Universidade Católica Portuguesa e mestre pela Universidade do Minho, Braga, em Filosofia. Tem participado como conferencista em colóquios, seminários e encontros sobre Filosofia, Literatura e Cultura Portuguesa. É ainda membro do Conselho Consultivo do “Boletim Cultural” da Câmara Municipal de V. N. de Famalicão, onde tem colaborado. Tem ainda publicado sobre os mais diversos assuntos, sobretudo relativos ou relacionados à História local famalicense.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.