Comeres | Porta-Enxerto, garrafeira e restaurante lounge em Famalicão

Comeres | Porta-Enxerto, garrafeira e restaurante lounge em Famalicão

O Porta-Enxerto apresenta um novo conceito de restauração em Famalicão. Espaço lounge por excelência, vai buscar o seu nome à operação de enxertia operada na vinha, uma vez que este espaço de restauração tem por referência as cartas de vinhos que disponibiliza. Estas são duas, uma primeira do Douro, desde as regiões espanholas da nascente do rio até ao Douro português, e uma outra diversificada, assente em vinhos nacionais e que tem ainda como curiosidade o facto de a lista de vinhos verdes ser apenas composta por vinhos famalicenses, nomeadamente Quinta do Castro, Casal de Ventozela, D. Sancho I e Casa de Compostela.

Chegados ao pequeno restaurante, situado no edifício do Mercado Municipal famalicense, ocupamos uma das 5 mesas disponíveis. De facto, a sala dispõe apenas de uma lotação de 16 lugares sentados, com mais alguns ao balcão e, eventualmente, na pequena esplanada à sua frente.

O ambiente acolhedor e descontraído, de certo modo até festivo, é favorecido por uma decoração clássica de tipo barroco enquadrada por suave música eletrónica, de tipo ambiente, comum em espaços do género nos nossos dias.

Depois de instalados, indagamos o que se poderia comer. “Comida saudável! Nesta casa não há fritos”, respondeu-nos, todo sorridente e seguro de si, Hermenegildo Campos, o gerente do espaço. “Hoje temos Folhado de lombo de pescada, acompanhado com um salteado de batata e legumes aos coentros”. Pois bem, assim foi, uma vez que era o único prato a ser servido no almoço desse dia. Esta opção por um prato único está de acordo com a pretensão de proporcionar aos clientes uma permanente surpresa e variedade de oferta. Com efeito o Porta-Enxerto, nestes seus 10 meses que leva de existência – abriu as suas portas em novembro de 2016 -, apenas ocasionalmente repetiu pratos anteriormente servidos.

O folhado esteve leve, estaladiço, delicioso, equilibrado no seu ponto de preparação e gordura da massa, e bem recheado com um lombo de pescada bastante macio e suculento. O acompanhamento de batata e legumes salteados em pouco azeite, que incluíam curgete e cenoura cobertos com coentros frescos revelou-se também uma agradável surpresa, sobretudo devido ao especial sabor dos coentros frescos picados que os cobriam.

A acompanhar o prato, provámos o vinho da casa, sempre variado conforme os dias e escolhido de entre uma lista diversificada de 180 vinhos que compõem a garrafeira. Desta feita foi-nos servido um muito bom branco do Douro, vinho leve e adamado da região de S. João da Pesqueira, rotulado Santo Graal.

Antes havíamos provado o creme de legumes, ligeiro e com pouco sal, mesmo para quem não está habituado ao seu excesso. Nas entradas, tudo simples, mas agradável quanto baste: pão branco fatiado em pequenas tiras acompanhado com azeite extra-virgem, o mesmo que é utilizado em todos os cozinhados da casa.

Antes do café, também ele uma surpresa porque suave e de superior qualidade, terminámos a refeição com uma Baba de camelo pingada com café e salteada com amêndoa torrada em palitos que estava divinal; fresca e doce o suficiente para não deixar o fim de boca a saber a açúcar.

O Porta-Enxerto centra a sua atuação em 4 linhas de orientação: wine bar, que é a essência da casa, mediante um serviço de vinho a copo sempre diferenciado, tapas de fusão, quentes e frias, e lanches constituídos por produtos ibéricos, como o presunto, chourição e queijos, pequeno restaurante com empratados tradicionais por vezes com alguns toques orientais, e garrafeira, uma vez que também efetua venda ao público.

“O negócio tem vindo a desenvolver-se, sendo hoje em dia já frequente ter casa cheia ao almoço e basta ocupação nos jantares de final de semana”, afirma Hermenegildo Santos. O restaurante possui um horário bastante diferenciado: está aberto de segunda a sexta-feira à hora do almoço e às sextas, sábados e vésperas de feriado também trabalha ao jantar, até às 24 horas. Em casos excecionais, pode mesmo ser reservado para pequenos grupos, dada a dimensão da sala. Ao sábado não se servem almoços e ao domingo o restaurante encerra para descanso.

O gerente do Porta-Enxerto revela-se um homem com visão de futuro para o estabelecimento. Pretende, para o efeito, vir a diversificar a sua presença noutras regiões do país, mediante o estabelecimento de contratos de parceria com outros empresários, nomeadamente estendendo a sua presença às duas maiores cidades do país, Lisboa e Porto.

 

Preço da refeição para 2 pessoas: 15 a 20,00 euros, incluindo bebidas de cápsula e/ou vinho a copo

Para mais informação, não deixe de consultar: https://www.facebook.com/porta.enxerto/

 

Pub

Categorias: LifeStyle

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Pedro Costa

Diretor e editor.

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos de preenchimento obrigatório*